Especilista portuguesa apresenta conferência sobre opióides no CBDor

Hérnia de disco afeta Anitta e Péricles. Entenda o problema
11 de fevereiro de 2019
Discussões contemporâneas sobre a dor
17 de maio de 2019

 
 
Ana Maria Rodrigues Pedro, presidente da Associação Portuguesa para o Estudo da Dor e coordenadora da Unidade de Dor do Hospital Professor Fernando Fonseca, é destaque na programação do 14º Congresso Brasileiro da Dor (CBDor), promovido pela SBED, em São Paulo, de 19 a 22 de junho.
Na conferência “Rotação de Opióides. Como? Quando? A quem?”, a especialista abordará detalhes sobre esse tema que ganha cada vez mais destaque no estudo da dor. A rotação de opióides refere-se ao processo de mudança de um determinado fármaco, ou via da administração do mesmo, com o objetivo de obter melhores resultados no tratamento de um quadro de dor. “Podemos dizer também que é a troca de um opióide por outro quando a analgesia é insuficiente ou os efeitos adversos do opióide não se conseguem controlar”, explica a médica.
Na entrevista abaixo, Ana Maria dá uma prévia dos temas que tratará em sua conferência no CBDor. Confira.
SBED - A rotação de opióide é uma prática comum? Dra. Ana Pedro - Há estudos que demonstram que podem ser necessárias cinco rotações sucessivas de um opióide de ação prolongada por outro para se obter um nível de analgesia adequado com efeitos adversos toleráveis. É uma prática comum tanto em dor oncológica como não oncológica.
SBED - Quando se deve fazer rotação de opióide? Dra. Ana Pedro - A rotação de opióide está indicada quando há redução da capacidade analgésica, efeitos adversos incontroláveis/toxicidade ou outras ocorrências como rotura de fornecimento, perda de via de administração, entre outras.
SBED - Quais os riscos da rotação de opióides? Dra. Ana Pedro - Sempre que se realiza a rotação de opióide pode ocorrer uma de duas situações:
a) Sobredosagem e efeitos adversos graves e potencialmente fatais; b) Dose excessivamente baixa com agravamento da dor e eventualmente síndrome de abstinência.
SBED - Como é feita a rotação?
Dra. Ana Pedro - Com recurso às tabelas de equianalgesia, calcula-se a dose total diária do novo opióide e em seguida reduz-se 25 a 50% da dose, considerando a variabilidade individual e tolerância cruzada incompleta. Deve ser prevista terapêutica de resgate e feita reavaliação regular até se atingir o objetivo terapêutico.
Para saber mais sobre o congresso, acesso: http://sbed.org.br/14o-cbdor/
Sobre o 14º CBDor Data: 19 a 22 de junho Horário: das 8h às 18h Local: Centro de Convenções Frei Cancea (Dentro do Shopping Frei Caneca) Endereço: Rua Frei Caneca, 569 - Consolação, São Paulo - SP Inscrições e informações no site: http://sbed.org.br/14o-cbdor/