Associado SBED

Ano Mundial Contra a Dor Neuropática – 2014/2015


Ano Mundial Contra a Dor Neuropática



Prezado colega da SBED:

A IASP inicia neste outubro de 2014 a campanha do Ano Mundial de Combate a Dor com o tema DOR NEUROPÁTICA, que substitui o da Dor Orofacial. Portanto, nós da SBED, capítulo brasileiro da IASP, damos inicio ao Programa Brasil do Ano Mundial de Combate à Dor Neuropática, que irá até outubro de 2015. Lembre-se que as informações referentes às campanhas anteriores permanecem disponíveis, em português, no site da SBED.
 

Salvador / BA - 25/07/2015

Curso: Discutindo a avaliação e o tratamento da Dor Neuropática: Abordagem farmacológica e não farmacológica do Programa Brasil do Ano Mundial Contra a Dor Neuropática – 2015

Data: 25/07/2015
Horário: das 8:20hs ás 14:40hs
Local: Auditório da Associação Baiana de Medicina
Rua Baependi, Nº 162 - Ondina, Salvador – Bahia.

Horário

Tema

Palestrante

8:20h

Abertura do evento

          Durval Campos Kraychete

8:30h

Instrumentos de Avaliação da Dor Neuropática

Marcia Morete

9:10h

Uso de Antidepressivos no Tratamento da Dor Neuropática

Durval Campos Kraychete

9:50h

Uso de Anti convulsivante no Tratamento da Dor Neuropática

Renata Alban

10:30h

INTERVALO


10:50h

Uso de Agentes tópicos no Tratamento da Dor Neuropática

Anita Perpetua Carvalho Rocha

12:10h

ALMOÇO


13:10

Interações medicamentosas - Manejo e Efeitos Adversos

Antônio Argolo Sampaio

14:00h

Adesão ao Tratamento

Barbara Maria Muller

14:40h

ENCERRAMENTO


Porto Alegre / RS - 14/11/2015

Curso: Discutindo a avaliação e o tratamento da Dor Neuropática: Abordagem farmacológica e não farmacológica do Programa Brasil do Ano Mundial Contra a Dor Neuropática – 2015 Porto Alegre/RS.
Data: 14/11/2015
Horário: das 8:20hs ás 14:40hs
Local: Hotel Continental – Porto Alegre - Largo Vespasiano Júlio Veppo, 77 – Porto Alegre/RS.

Gratuito para Associados da SBED

Horário

Tema

Palestrante

8:20h

Abertura do evento


8:30h

Instrumentos de Avaliação da Dor Neuropática

Marcia Morete

9:10h

Uso de Antidepressivos no Tratamento da Dor Neuropática

Alexandre Annes Henriques

9:50h

Uso de Anti convulsivante no Tratamento da Dor Neuropática

Renato Bender Castro

10:30h

INTERVALO


10:50h

Uso de Agentes tópicos no Tratamento da Dor Neuropática

Irimar de Paula Posso

12:10h

ALMOÇO


13:10

Interações medicamentosas - Manejo e Efeitos Adversos

Wolnei Caumo

14:00h

Adesão ao Tratamento

Barbara Maria Muller

14:40h

ENCERRAMENTO

Rio de Janeiro/RJ - 27/06/2015
Curso: Discutindo a avaliação e o tratamento da Dor Neuropática: Abordagem farmacológica e não farmacológica do Programa Brasil do Ano Mundial Contra a Dor Neuropática – 2015
Data: 27/06/2015
Horário: das 8:20hs ás 14:40hs
Local: Ensino Einstein
Rua do Passeio, 42 – Centro -Rio de Janeiro/RJ





Belém / PA - 20/06/2015
Curso: Discutindo a avaliação e o tratamento da Dor Neuropática: Abordagem farmacológica e não farmacológica do Programa Brasil do Ano Mundial Contra a Dor Neuropática – 201
Data: 20/06/2015Horário: das 8:20hs ás 14:40hs
Local: Hangar Centro de Convenções
Av. Dr. Freitas, s/n - Marco, Belém - PA.





São Paulo / SP

Várias revisões demonstraram que as mulheres respondem aos estímulos nocivos e possivelmente nocivos experimentando mais dor que os homens (1,2). Em particular, as mulheres tendem a ter um limiar de dor reduzido em comparação com os homens; as mulheres sentem dor diante de estímulos de menor intensidade que os homens. Além disso, existem muitas condições de dor que são mais freqüentes em mulheres: Berkley enumerou 38 transtornos de dor clínica que prevalecem nas mulheres, mas somente 15 que prevalecem nos homens, e 24 que não têm prevalência no sexo. Então, é tentador sugerir que as mulheres têm um perfil biológico que as predispõe a experimentar dor diante de intensidades de estímulos de dor mais baixas e, assim, sofrem um grau de dor clínica desproporcionado.

Esta hipótese geral está respaldada por estudos em animais que demonstraram, por exemplo, maior analgesia induzida pelo estresse mediada com opióides em ratos em comparação com ratas (3,4). A analgesia induzida pelo estresse pode ser suprimida pelo estrógeno, o que aumenta a possibilidade de que as diferenças hormonais entre os homens e as mulheres contribuam a diferenças quanto à percepção da dor (5). Em comparação, evidências mais recentes, obtidas utilizando a tomografia por emissão de pósitrons para avaliar diretamente a união dos opióides in vivo, demonstraram maior disponibilidade de receptores opióides e ativação de opióides endógenos durante a presença de um estímulo nocivo em um estado de comparação de estrógeno alto com estrógeno baixo (6). As diferentes funções dos distintos mecanismos mediados com opióides sob distintas condições ainda não foram pesquisadas.

Os avanços relacionados com a tecnologia de diagnóstico por imagens do cérebro permitem que as diferenças cerebrais entre gêneros possam ser avaliadas diretamente nas populações humanas. Existem por exemplo, diferenças estruturais relacionadas com o gênero, o que inclui o tamanho e a morfologia do corpo caloso, a área hipotalâmica pré-óptica, o plano temporal, a porcentagem de substância cinzenta no cérebro humano e a densidade dos neurônios. Além disso, está muito bem estabelecido que os homens e as mulheres têm diferentes habilidades espaciais e verbais, e estas diferenças se correlacionam com as diferenças de gênero na função cerebral (7). As diferenças clínicas e de comportamento observadas na resposta à dor também podem estar relacionadas com as diferenças estruturais e funcionais entre os homens e as mulheres.

Em 1998, Paulson e outros demonstraram maiores respostas na ínsula anterior e o tálamo nas mulheres; e demonstraram ativação pré-frontal no hemisfério direito nos homens, e no hemisfério esquerdo nas mulheres ao usar calor nocivo (8). Em 2002, Derbyshire informou uma maior ativação do córtex cingular perigenual e ventral nas mulheres e uma maior ativação dos córtices parietal, sensorial secundário, pré-frontal e insular nos homens ao usar estímulos de laser nocivos (9). Além disso, em 2002, Berman e outros informaram maior atividade insular nos homens ao receber uma distensão retal aversiva, em oposição à maior atividade insular nas mulheres, observada num estudo anterior de distensão retal realizado por Kern e outros (2001). Mais recentemente, Moulton e outros (2006) demonstraram uma redução na ativação no córtex sensorial primário cingular anterior e pré-frontal ao receber calor nocivo nas mulheres em comparação com os homens, um resultado que difere dos de Derbyshire e outros (2002) e Paulson e outros (1998). Estas descobertas no campo do diagnóstico por imagens do cérebro são intrigantes, mas a considerável variação entre os estudos permanece aberta a interpretação. As variações nos padrões de atividade são uma boa razão para ter cuidados antes de especular muito no que diz respeito à influência do gênero nas diferenças do diagnóstico por imagens do cérebro durante os estímulos nocivos.

Uma possível razão para esta variabilidade é o fato de que a dor é complexa e uma enorme quantidade de fatores pode influenciar as descobertas em amostras relativamente pequenas. Foi sugerido que os efeitos de critério, as diferenças de tamanho corporal, a grossura da pele ou a pressão arterial sistólica, as expectativas sociais, a variação cognitiva, o método de estimulação e as diferentes características psicológicas, tais como a ansiedade e a depressão, estão relacionadas com as diferenças de gênero observadas na resposta à dor. Também se começou a prestar maior atenção à flutuação biológica produzida pelo ciclo menstrual.

Estão aumentando os estudos de diagnóstico por imagens do cérebro relacionados com o tema, e existe uma interessante possibilidade de elucidar as possíveis fontes de variação a fim de compreender mais claramente os mecanismos subjacentes à dor em geral, assim como o modo em que os fatores de sexo e gênero contribuem a estas variações.

Copyright International Association for the Study of Pain, September 2007. References available at www.iasp-pain.org

Mensagem do Presidente

Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor Capítulo Brasileiro da International Association for the Study of Pain - IASP




Prezado colega da SBED:

A IASP inicia neste outubro de 2014 a campanha do Ano Mundial de Combate a Dor com o tema DOR NEUROPÁTICA, que substitui o da Dor Orofacial. Portanto, nós da SBED, capítulo brasileiro da IASP, damos inicio ao Programa Brasil do Ano Mundial de Combate à Dor Neuropática, que irá até outubro de 2015. Lembre-se que as informações referentes às campanhas anteriores permanecem disponíveis, em português, no site da SBED.

Dor neuropática destaca-se por estar presente em quase todas as áreas profissionais e especialidades relacionadas à dor. Certamente já foi abordada em campanhas anteriores, inclusive na última sobre Dor Orofacial. Entretanto, pela complexidade, amplitude, importância e desafio ao tratamento, esse tema justifica-se perfeitamente, permitindo realçar com mais profundidade suas características.

Inúmeras condições podem contribuir para esse tipo de dor, desde traumatismos periféricos até doenças crônicas como diabetes mellitus ou virais, como o herpes zoster. O Programa Brasil da SBED visa reunir opiniões e participação de profissionais e especialistas da área, incluindo o Comitê de Dor Neuropática da SBED, de modo a ampliar a discussão e a conscientização desse problema aqui em nosso país, que não é insignificante, como mostra estudo epidemiológico brasileiro realizado em São Luis, Maranhão, em que cerca de 10% das pessoas entrevistadas têm sinais e sintomas compatíveis com dor neuropática. Esse é um número considerável de pacientes, e que possivelmente se repete em outras regiões do país.

A SBED disponibiliza, gratuitamente em seu site, o logotipo da campanha, além de todas as informações referentes à mesma, incluindo as tradicionais fichas técnicas em português, em seu Programa Brasil do Ano Mundial de Combate à Dor Neuropática. Em 2012 foi edidado o livro Dor Neuropática: avaliação e tratamento, decorrente de consenso coordenado pela SBED, que ainda tem exemplares disponíveis, os quais disponibiliza aos seus associados. Utilize e divulgue todo o material da campanha.

Além disso, lembro que a SBED apoia financeiramente eventos relacionados ao tema do ano mundial, desde que realizados por ligas de dor e regionais da SBED, e que sejam aprovados pelo Comitê de Dor Neuropática e pela diretoria da SBED, a exemplo do que foi feito no programa de combate à Dor Orofacial, que ora finda.

Mobilize-se, vamos difundir a campanha por todo o Brasil e contribuir para a conscientização de pacientes, médicos, profissionais e gestores da saúde. Desejo a todos um bom Programa Brasil de Combate à Dor Neuropática!

Cordialmente,

José Tadeu Tesseroli de Siqueira Presidente da SBED.

Referências bibliográficas:

  1. de Moraes Vieira EB, Garcia JB, da Silva AA, Mualem Araújo RL, Jansen RC. Prevalence, characteristics, and factors associated with chronic pain with and without neuropathic characteristics in São Luís, Brazil. J Pain Symptom Manage. 2012 Aug; 44(2):239-251.
  2. Siqueira JTT. A dor dos brasileiros de acordo com os estudos epidemiológicos populacionais disponíveis: o que sabemos? Revista Dor 2013 Out-Dez; 14(4): 237-238.

  • Osvaldo JM Nascimento - UFF-RJ
    A dor nos acompanha desde quando nascemos e se torna mais presente quando envelhecemos, adquirindo características típicas da natureza neuropática pelo desgaste ou lesão de nossas vias sensitivas. Por enquanto os tratamentos apenas fazem com que convivamos melhor com ela. Dedicar um ano para melhor conhecê-la e controlá-la é um bom começo.
    Osvaldo JM Nascimento - UFF-RJ
  • Profª. Drª. Lia Rachel Chaves do Amaral Pelloso
    A dor neuropática acomete milhões de pessoas no mundo, levando a incapacidade e importantes limitações devido a dor. A importância do Ano Mundial contra a Dor Neuropática , não está somente no alívio das dores mas também em alertar a comunidade profissional sobre a importância de um diagnóstico correto e precoce e assim unidos poderemos enfrentar este grande desafio que é a Dor Neuropática!
    Profª. Drª. Lia Rachel Chaves do Amaral Pelloso
    Universidade Federal do Mato Grosso
  • Dr. Maruãn Omais
    A Importância do Ano Mundial Contra a Dor Neuropática. Epidêmica é a palavra que melhor define a realidade da dor neuropática no mundo. Indiferença e o paradigma que tem de se quebrar.
    Dr. Maruãn Omais

Fichas Técnicas


X